Translate

terça-feira, 14 de março de 2017

Por que algumas congregações celebram a Santa Ceia anualmente ao invés de mensal? Tal prática é certa ou errada?

C

 ertamente você conhece a passagem bíblica de 1 aos Coríntios 11.23 em diante de cor e salteado. Seu ministério celebra a morte e ressurreição de Jesus Cristo mensalmente ou anualmente? Há igrejas, congregações e comunidades cristãs que celebram a Santa Ceia mensalmente e essa é a maneira mais comum e usual dos nossos dias, salvo a Congregação Cristã no Brasil.
O que me inquieta, no entanto é no fato de que muitos criticam igrejas Y e X por costumes e afins, no entanto não procuram nas Sagradas Escrituras do porquê de tais liturgias serem realizadas diferentemente das mais aceitas pela população.
Afinal de contas a verdade é apenas uma, e apenas um lado está com mais da razão, ou no mínimo – segue a celebração da maneira mais próxima que a original. O problema se encontra quando não encontramos com detalhes a descrição de como a ceia era celebrada, sendo assim como podemos saber a forma que a Igreja Primitiva Apostólica seguia? Apenas de uma maneira isso é possível, e é através do Antigo Testamente que chegaremos a conhecer essa verdade, pois: “Toda escritura é proveitosa” (2Tm 3.16).
Voltemos nossos olhos para o dia em que os Filhos de Israel saíram do Egito; houve uma ordenança de Deus sobre se comer pão ázimo, ervas amargas,  e um cordeiro assado no fogo, ao qual não poderia se quebrar nenhum osso (Ref. Êxodo 12 ). Durante 7 dias a Páscoa deveria ser celebrada e durante este período, deveria comer pão sem fermento. Deus iria passar na noite um anjo que causaria morte a todo filho primogênito de quem não tivesse em sua porta e janelas o sangue do cordeiro.
O que isso tem haver com a ceia? Tudo, pois essas informações nos dão o costume e a tradição judaica de uma festa santa do povo de Deus. A Páscoa, ao qual o significado é “passagem”, era a razão de Jesus e seus discípulos estarem ceando aquela noite, pois a páscoa começaria no Domingo. Então o que Jesus fez? Ensinou para eles que essa festa memorial deveria ser mudada em partes por aqueles que o seguem como Mestre e Senhor. Ele disse que o pão ázimo era o corpo dele e o suco tinto e puro da uva era seu sangue e através dele haveria uma Nova Aliança, ou em outras traduções: Novo Testamento, no sangue dEle. A partir daquele momento em diante ele estaria se sacrificando por todos nós, do mesmo modo que o cordeiro foi morto na época de Moisés, para salvar seu povo da opressão. Dessa maneira a Páscoa Mosaica seria substituída por uma Páscoa Cristã, na qual durante esse período de reflexão seus discípulos tivessem um novo memorial. Não mais da morte do cordeiro dos tempos da Lei, mas sim do Cordeiro de Deus.
Como tal, Jesus estava mostrando com esse ato que sua Amada Igreja não iria ser judaizante, mas cristã. Anualmente durante o período da festa da páscoa, seu povo santo e remido se lembraria de sua morte na cruz e ressurreição. Jesus é a nossa Páscoa então durante uma semana (que é o tempo que dura à páscoa), seus Apóstolos ceariam num ato memorial. Por essa razão as Escrituras dizem: “por isso todas as vezes que comerdes desse pão e beberdes desse cálice anunciai a morte do Senhor, até que venha” – (1Co 11.26). Esse “todas as vezes”, se refere ao período dos sete dias da páscoa e portanto não é justificativa para defender que por causa dessa frase quer dizer que a Igreja Primitiva ceava mensalmente. Quem ceava no primeiro dia poderia celebrar até o ultimo dia da festa memorial, e quem não tivesse como chegar a tempo de cear num dia ceava no outro.
Só enfatizando que Jesus não quis com essa Nova Aliança que sua Igreja ignorasse o maravilhoso milagre que ocorreu na época de Moisés, mas que a prioridade da ceia, fosse para se lembrar dEle mesmo.
O que me deixa triste e até revoltado é a falta de reverência para com a boa tradição que Jesus deixou como modelo de sua Festa Memorial. Nós brasileiros celebramos a páscoa apenas um dia do mês que varia de Março/Abril, o porquê disso direi num próximo artigo, o fator relevante é que entendemos que nosso costume não é o mesmo que o dos judeus de uma semana de festa, até porque somos outro povo escolhido por Deus, mas deveríamos respeitar essa festa da maneira que a Igreja Apostólica Cristã Primitiva celebrava, nem que seja por um dia.
A páscoa era para ser a festa memorial de Cristo e sua Igreja, mas nos dias de hoje o que vemos em nossos cultos a Deus são: pão caseiro, (quando não bisnaguinha ou pão de leite, doce etc.) que na hora de partir não escutamos o pão se quebrando por estar fofo e macio por dentro; até uma bolacha de água e sal chegaria mais próximo do pão ázimo, mas nem isso são capazes de fazer.
O porquê de tal relaxo? Quando se é uma igreja simples demais teria uma desculpa razoável; Mas é a pressa do dia a dia faz com que deixemos as obras do Senhor tudo para última hora. Deus entende isso não? Sim claro que entende, como Ele também entende que: “Maldito aquele que faz a obra do Senhor relaxadamente” – Jeremias 48.10 .
Celebrar a ceia mensalmente ou anualmente? A segunda opção se aproxima da celebração primitiva, mas o segundo não seria pecado celebrar também, mas não tem a mesma solenidade e importância do primeiro. Teria baixo valor você celebrar seu aniversário mensalmente não acha? Já a ceia anual criava e cria a expectativa de aguardar essa data com muita alegria e desejo.
Se na sua o costume é mensal e deseja que seja da forma mais próxima da igreja primitiva, seja sábio, converse com o pastor ou responsável, apresente esse estudo, mas lembrando que o que não deve ser visto com bons olhos nesse estudo é o pão levedado, e a ceia ser servida de maneira preguiçosa e sem reverência alguma. Lembre-se que por pertencer a um ministério você está sujeito aos seus usos e costumes, porém isto não quer dizer que você irá concordar com tudo.  Discorde de tudo o que foge das Sagradas Escrituras.

Siga Sacerdote de Judá nas redes Sociais e YouTube clicando nos links abaixo:

Sacerdote de Judá no Facebook

Baixe esse estudo em PDF clicando aqui
Baixar/Download

Postar um comentário